OS BONS LIVROS, NOSSOS AMIGOS

 

 

D. Javier Echevarría, Getsemani em oração com Jesus Cristo, Ed. Diel, Lisboa, 2011, 228 pgs em 240x150.

http://www.diel.pt/index.php?option=com_virtuemart&page=shop.product_details&flypage=shop.flypage&category_id=1&product_id=289&Itemid=7

 

D. Javier Echevarría, Bispo Prelado do Opus Dei, toma nas mãos o texto do Evangelho sobre a oração de Jesus no Horto e comenta-o ao longo destas luminosas páginas.

O seu propósito, bem logrado nestas meditações, está expresso logo nas primeiras página desta obra: «o que vamos fazer é simplesmente olhar para Jesus em Getsemani e, em pano de fundo, para os apóstolos. Cada pormenor desta noite memorável tem a ver connosco, temos de nos considerar nessa situação critica para agradecer a bondade de Deus, para encarar pessoalmente a Paixão e Morte do redentor e aprofundar este mistério.» (pg 9).

Encontramo-nos perante uma série de meditações profundas da agonia de Jesus no Horto da Oliveiras que nos conduzem, ao longo de nove capítulos, a uma profunda revisão de vida. 

Na verdade, o livro não é uma exposição teórica de conhecimentos, mas conduz-nos sempre pela mão a um propósito de vida concreto.

Nele está sempre presente aquele conselho que dava S. Josemaria aos que se propunham meditar passagens do Evangelho: considerar-se como mais um dos personagens da cena meditada, para ouvir acolher no coração os ensinamentos do Evangelho e intervir com a nossa oração pessoal de acção de graças, desagravo e súplica.

Getsemani em oração com Jesus Cristo é pois, uma preciosa ajuda para a oração pessoal, agora acessível ao grande público de língua portuguesa.

Nele aprendemos a meditar estes momentos decisivos da vida de Jesus para a nossa redenção e a despertar em nós, sob o impulso da graça, desejos de avançar generosamente no caminho da santificação.

 

 

 

 

 

 

 

Hugo de Azevedo, Jesus em Nazaré, Ed. Diel, Lisboa, 2011, 228 pgs em 145x100.

 

http://www.diel.pt/index.php?option=com_virtuemart&page=shop.product_details&flypage=shop.flypage&category_id=1&product_id=288&Itemid=7

 

 

Hugo de Azevedo é bem conhecido dos leitores de Celebração Litúrgica, pois há muitos anos que nos brinda com um deliciosa artigo que abre cada número da revista.

Muitas vezes tenho desejado encontrar disponível uma antologia destes artigos, para que se percam com o amontoar das revistas que vão sendo publicadas.

Ainda bem que, de vez em quando,  Monsenhor Hugo de Azevedo nos brinda com um livro como o que temos entre mãos!

Recorda, logo no início, um pensamento de S. Josemaria Escrivá sobre a vida oculta de Jesus: «Esse longo tempo, de que quase não se fala no Evangelho, parece desprovido de significado aos olhos de quem o considera superficialmente», mas «um tal silêncio na biografia do Mestre é bem eloquente e encerra maravilhosas lições para os cristãos. Foram anos intensos de trabalho e oração, em que Jesus teve uma vida tão normal como a nossa, simultaneamente divina e humana.» S. Josemaria Escrivá, amigos de Deus, n.º 56.

Expõe, seguidamente o fio condutor nesta caminhada pelo silêncio da vida de Jesus em Nazaré: «É possível, portanto, reconstituir com muito realismo – em traços gerais, obviamente – a Sua vida em Nazaré. Basta imaginar como seria a de qualquer criança, rapaz e homem nesse tempo e nessa terra.»

Revela-nos depois um segredo: afinal, Jesus descreveu-nos a sua vida oculta na sua pregação, ao dar-nos conta dos costumes do seu tempo ou ao contar-nos as Parábolas, pois Jesus «era um homem integrado na vida comum» do Seu tempo.

A sucessão dos diversos capítulos pode ajudar-nos a fazer uma ideia do conteúdo deste livro:

Todos quantos o lerem hão-de experimentar certamente um sentimento de gratidão para com o autor que tão seguramente nos conduz através dos anos que Jesus viveu em Nazaré. A v ida corrente. O trabalho. A maternidade (I). A maternidade (II). A paternidade (I). A paternidade (II). A casa. A família. A festa. Os pastores. A politica.

A guerra. O vício. Amor e amizade. A maldade. A bondade. Servir e mandar, O negocio. A arte. Fariseus e publicanos. Este mundo desigual. Conclusão.

O seu formato de bolso possibilita que o levemos connosco para aproveitar os minutos em que esperamos por um transporte ou fazemos um pequeno intervalo em nossas actividades.

 

Fernando Silva

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial