7º Domingo da Páscoa

20 de Maio de 2012

 

Esta Celebração destina-se aos locais onde a solenidade da Ascensão se celebra na quinta-feira da Semana VI do Tempo Pascal.

 

RITOS INICIAIS

 

Cântico de entrada: Caminhamos na alegria, H. Faria, NRMS 8

Salmo 26, 7-9

Antífona de entrada: Ouvi, Senhor, a voz da minha súplica. Diz-me o coração: «Procurai a sua face». A vossa face, Senhor, eu procuro; não escondais de mim o vosso rosto. Aleluia.

 

Diz-se o Glória.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Jesus chamou os Apóstolos. Eles aceitaram o convite e seguiram-n’O. Também hoje nos chama. Escutemos a Sua Palavra. Procuremos responder sim e seremos verdadeiramente felizes.

 

Oração colecta: Ouvi, Senhor, a oração do vosso povo e fazei que, assim como acreditamos que o Salvador do género humano está convosco na glória, assim também sintamos que, segundo a sua promessa, está connosco até ao fim dos tempos. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia da Palavra

 

Primeira Leitura

 

Monição: Matias foi escolhido para substituir o traidor Judas. Procuremos nós, como os Apóstolos, viver sempre para Jesus.

 

 

Actos dos Apóstolos 1, 15-17.20a.20c-26

15Naqueles dias, estavam reunidas cerca de cento e vinte pessoas. Pedro levantou-se no meio dos irmãos e disse: 16«Irmãos, era necessário que se cumprisse o que o Espírito Santo anunciou na Escritura, pela boca de David, a respeito de Judas, que foi o guia dos que prenderam Jesus. 17Na verdade, era um dos nossos e foi-lhe atribuída uma parte neste ministério. 20aEstá escrito no Livro dos Salmos: 20c'Receba outro o seu cargo'. 21É necessário, portanto, que de entre os homens que estiveram connosco durante todo o tempo que o Senhor Jesus viveu no meio de nós, 22desde o baptismo de João até ao dia em que do meio de nós foi elevado ao Céu, um deles se torne connosco testemunha da sua ressurreição. 23Apresentaram dois: José, chamado Barsabás, de sobrenome Justo, e Matias. 24E oraram nestes termos: 'Senhor, que conheceis o coração de todos os homens, indicai-nos qual destes dois escolhestes 25para ocupar, no ministério apostólico, o lugar que Judas abandonou, a fim de ir para o seu lugar'. 26Deitaram sortes sobre eles e a sorte caiu em Matias que foi agregado aos onze Apóstolos.»

 

O relato da eleição de Matias para o lugar de Judas põe em relevo características importantes da constituição da Igreja de Cristo. Refazer o número doze dos Apóstolos mostra-se extraordinariamente importante para que se perceba que a Igreja é o novo povo de Deus, assente não em doze tribos, mas num colégio de doze homens eleitos por Deus. Por outro lado, deixa-se ver como Pedro é o chefe do Colégio Apostólico, ao tomar uma iniciativa tão importante: «Pedro levantou-se no meio dos irmãos» (v. 15). É de notar como Lucas dá importância à figura de Pedro na sua obra, pois este aparece sempre como figura central dos episódios em que intervém juntamente com os outros Apóstolos ou com os discípulos (cf. Act 2, 14, 37; 3, 3-26; 4, 8.19; 5, 2-9.29; 8, 14.20…); é ele quem primeiramente admite os gentios na Igreja (Act 10 – 11) e quem no Sínodo dos Apóstolos intervém primeiramente, como quem marca o rumo a tomar (Act 15, 6-11).

21-22 «Testemunha da Ressurreição» de Jesus era uma condição essencial para os candidatos ao lugar de Judas, pois era isto o que mais garantia podia dar ao testemunho que o Apóstolo tinha a dar.

 

Salmo Responsorial    Sl 102 (103), 1-2.3-4.8.10.12-13 (R. 8a)

 

Monição: Bendigamos o Senhor que na Sua misericórdia quer a nossa felicidade e salvação.

 

Refrão:        O Senhor é clemente e cheio de compaixão.

 

Ou:               Senhor, sois um Deus clemente e compassivo.

 

Bendiz, ó minha alma, o Senhor

e todo o meu ser bendiga o seu nome santo.

Bendiz, ó minha alma, o Senhor

e não esqueças nenhum dos seus benefícios.

 

Ele perdoa todos os teus pecados

e cura as tuas enfermidades;

salva da morte a tua vida

e coroa-te de graça e misericórdia.

 

O Senhor é clemente e compassivo,

paciente e cheio de bondade;

não nos tratou segundo os nossos pecados,

nem nos castigou segundo as nossas culpas.

 

Como o Oriente dista do Ocidente,

assim Ele afasta de nós os nossos pecados;

como um pai se compadece dos seus filhos,

assim o Senhor Se compadece dos que O temem.

 

Segunda Leitura

 

Monição: Deus convida-nos a amá-l’O como Ele nos ama. No Seu amor amemo-nos uns aos outros.

 

1 São João 4, 11-16

Caríssimos: 11Se Deus nos amou tanto, também nós devemos amar-nos uns aos outros. 12A Deus ninguém jamais O viu. Se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós e em nós o seu amor é perfeito. 13Nisto conhecemos que estamos n’Ele e Ele em nós: porque nos deu o seu Espírito. 14E nós vimos e damos testemunho de que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo. 15Se alguém confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele e ele em Deus. 16Nós conhecemos o amor de Deus por nós e acreditamos no seu amor. Deus é amor: quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele.

 

(Veja-se o comentário feito atrás para esta mesma leitura alternativa do 6º Domingo de Páscoa)

 

 

Aclamação ao Evangelho       

 

Monição: Jesus pede ao Pai por nós para que sejamos livres do mal no mundo.

 

Aleluia

 

Cântico: Aclamação – 4, F. da Silva, NRMS 50-51

 

Não vos deixarei órfãos, diz o Senhor:

vou partir mas virei de novo e alegrar-se-á o vosso coração.

 

 

Evangelho

 

São João 17, 11b-19

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao Céu e orou deste modo: 11b«Pai santo, guarda-os em teu nome, o nome que Me deste, para que sejam um, como Nós. 12Quando Eu estava com eles, guardava-os em teu nome, o nome que Me deste. Guardei-os e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição; e assim se cumpriu a Escritura. 13Mas agora vou para Ti; e digo isto no mundo, para que eles tenham em si mesmos a plenitude da minha alegria. 14Dei-lhes a tua palavra e o mundo odiou-os, por não serem do mundo, como Eu não sou do mundo. 15Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. 16Eles não são do mundo, como Eu não sou do mundo. 17Consagra-os na verdade. A tua palavra é a verdade. Assim como Tu Me enviaste ao mundo, também Eu os enviei ao mundo. 18Eu consagro-Me por eles, para que também eles sejam consagrados na verdade».

 

(Veja-se o comentário feito acima para esta mesma leitura alternativa do 6º Domingo de Páscoa)

 

 

Sugestões para a homilia

 

O mundo actual

Os cristãos no mundo

Oração e apostolado

O mundo actual

Hoje no mundo há guerras que causam a destruição, o sofrimento e a morte.

Hoje no mundo há atentados, atingindo pessoas inocentes que perdem a vida, ficam deficientes ou aterrorizadas para o futuro.

Hoje no mundo há insegurança que impede as pessoas de serem livres e de ajudarem os outros com o receio de serem enganadas.

Hoje no mundo há ódio, inveja e vingança que roubam às pessoas o direito de serem felizes.

Hoje no mundo há pobreza e miséria, causadas pela injustiça de ordem social que leva alguns a esbanjarem o que faz falta a outros.

Hoje no mundo há angústia, ansiedade e sofrimento em muitas pessoas que desesperadamente procuram apoio, ajuda e dedicação.

Os cristãos no mundo

 É neste mundo que vivemos. Poderia vir a tentação de fugirmos para bem longe onde encontrássemos um oásis de paz. Mas Jesus não quer a nossa fuga. Ele quer que colaboremos na obra da salvação do mundo. É o que nos recomenda quando reza ao Pai: «Não peço que os tires do mundo mas que os livres do mal» ( Evangelho ) .

Por isso procuremos mudar mentalidades para que os homens se respeitem, resolvendo os problemas através do diálogo.

Saibamos estar com os pobres e os que são vítimas de injustiças para os defender e animar.

Vamos ao encontro dos que estão desanimados para que voltem a sentir a alegria de viver.

Vamos amar a Deus como Ele nos ama e, por Seu amor, não ofendamos ninguém, amando todas as pessoas ( 2.ª Leitura ) .

Oração e apostolado

Como os Apóstolos que escolheram Matias após a oração, rezemos ( 1.ª Leitura ). Rezemos muito antes de tomarmos qualquer decisão, antes de nos lançarmos ao apostolado. E teremos uma realidade diferente.

O mundo voltará a ser bom. O sol brilhará de novo. As estrelas iluminarão as trevas da noite. Nos rostos das pessoas veremos sorrisos de alegria e felicidade…

Não pensemos que isto é utopia. Não sejamos pessimistas. Encaremos o futuro com muita esperança. O Senhor continua a amar o mundo que criou. O Senhor quer estar connosco agora e sempre para nos tornar felizes.

Outros se juntarão a nós. Seremos cada vez mais a praticar o bem. Todos irradiaremos luz e felicidade.

Os que antes de nós lutaram pacificamente por um mundo melhor ficarão orgulhosos connosco e virão ao nosso encontro quando a nossa missão estiver cumprida.

Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe também, interessada na salvação de Seus filhos, vai connosco para nos animar, abençoar e salvar.

 

Oração Universal

 

Irmãos, oremos a Deus Omnipotente

e imploremos a Sua misericórdia,

dizendo confiadamente:

Escutai, Senhor, a nossa oração.

 

1.     Para que a Santa Igreja

apresente à humanidade a Doutrina de Jesus

a fim de que a guerra dê lugar à paz,

oremos, irmãos.

 

2.     Para que o ódio, a vingança e inveja

desapareçam do mundo

pois só assim poderemos viver felizes,

oremos, irmãos.

 

3.     Para que os homens de boa vontade,

através de leis sábias e justas,

acabem com situações de injustiça, pobreza e miséria,

oremos, irmãos.

 

4.     Para que a angústia, ansiedade e sofrimento

deixem de preocupar as pessoas

que desejam viver felizes, confiantes no futuro,

oremos, irmãos.

 

5.     Para que cumpramos a vontade de Deus,

amando-O como Ele nos ama

e amando a todos por Seu amor,

oremos, irmãos.

 

6.     Para que os familiares e amigos falecidos

alcancem a felicidade eterna no Céu

onde os esperamos encontrar após a morte,

oremos, irmãos.

 

Senhor nosso Deus e nosso Pai,

dignai-Vos atender estas súplicas

e, por intercessão da Virgem Santa Maria,

concedei-nos o que for melhor para nós.

Por N. S. J. C. Vosso Filho que é Deus Convosco

na unidade do Espírito Santo.

 

 

Liturgia Eucarística

 

Cântico do ofertório: Cantai a Cristo Senhor, Az. Oliveira, NRMS 97

 

Oração sobre as oblatas: Aceitai, Senhor, as orações e as ofertas dos vossos fiéis e fazei que esta celebração sagrada nos encaminhe para a glória do Céu. Por Nosso Senhor.

 

Prefácio pascal: p. 469 [602-714] ou 470-473; ou da Ascensão: p. 474 [604-716]

 

Santo: J. Santos, NRMS 6 (II)

 

Monição da Comunhão

 

Pela Sua misericórdia o Senhor vem até nós na Sagrada Comunhão. Peçamos-Lhe a graça de nunca nos separarmos d’Ele pelo pecado. Que nos ajude a amá-l’O sempre durante toda a vida!

 

Cântico da Comunhão: O Hino da alegria, M. Faria, NRMS 21

cf. Jo 17, 22

Antífona da comunhão: Eu Vos peço, ó Pai: assim como Nós somos um, também eles sejam consumados na unidade. Aleluia.

 

 

Oração depois da comunhão: Ouvi-nos, Deus nosso salvador, e, por estes sagrados mistérios, confirmai a nossa esperança de que todo o Corpo da Igreja alcançará um dia o mistério de glória inaugurado em Cristo, sua Cabeça. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Ritos Finais

 

Monição final

 

Vamos partir com a missão que o Senhor nos confia: dar testemunho d’Ele no mundo.

Que nos acompanhe para nos ajudar e animar no apostolado a Virgem Santa Maria!

 

Cântico final: Cantai ao Senhor um cântico novo, J. Santos, NRMS 36

 

 

 

 

 

 

 

 

Celebração e Homilia:         Aurélio A. Ribeiro

Nota Exegética:                    Geraldo Morujão

Sugestão Musical:                Duarte Nuno Rocha

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial