aCONTECIMENTOS eclesiais

DO MUNDO

 

 

ROMA

 

NOVA VERSÃO DA REVISTA LA CIVILTÀ CATTOLICA

No passado dia 5 de Abril, foi apresentado na Sala de Imprensa da Santa Sé o primeiro número da nova versão em papel e digital da revista La Civiltà Cattolica, da responsabilidade dos jesuítas.

 

 “La Civiltà Cattolica – explicou o seu director Padre António Spadaro, S.J. – é a revista mais antiga da Itália, entre aquelas que nunca interromperam a publicação. Sai desde há 163 anos todos os quinze dias com fascículos de mais de 100 páginas. É uma revista cultural que apresenta artigos escritos somente por jesuítas. Os seus redactores são especialistas, mas usam uma linguagem para «não especialistas». Além disso, é uma revista que se pode dizer «qualificada» por uma especial sintonia com a Santa Sé e que chega com o correio diplomático a todos os Núncios do mundo.

“Fundada em 1850, La Civiltà Cattolica pretende compartilhar uma experiência intelectual, iluminada pela fé e profundamente enraizada na vida cultural, social, económica, política, artística e científica dos nossos dias. Não pretende compartilhar as suas reflexões somente no interior do mundo católico, mas com todos aqueles que desejam ter fontes ​​de formação fiáveis, capazes de fazer pensar e amadurecer o juízo pessoal”.

La Civiltà Cattolica “por tradição e natureza exprime uma forma «elevada» de jornalismo cultural, colocando-se num difícil território fronteiriço (...). Não pretendemos simplesmente «seguir» e comentar eventos culturais ou reflexões já formuladas. Na medida do possível queremos intuir o que vai acontecer, antecipar tendências e fenómenos, prever o seu impacto, manter viva a atenção dos nossos leitores”.

O Padre Spadaro recordou que “desde 1850 a 1933 a revista não assinava os artigos para significar que eram expressão não de uma pessoa singular, mas de uma comunidade, o chamado «colégio de escritores», composto actualmente por sete jesuítas. Porém hoje, mais do que nunca, a cultura está diversificada. Aumentará, em relação ao passado, a presença de assinaturas internacionais de padres jesuítas e a variedade de temas tratados, ainda que a revista seja sempre «cozinhada» em casa através de uma redacção estável”.

Quanto às inovações na revista, o formato gráfico não mudava desde 1970. “Em termos de estrutura, desaparecem as «crónicas» num mundo em que a crónica é confiada aos jornais diários, e hoje também aos blogs e tweets em tempo real. Em vez disso, vamos insistir nas «pontes», isto é, nas reflexões, análises críticas, argumentações, também mais a actualidade, graças à secção «Focus», com artigos sobre a actualidade de carácter político, económico, internacional, social, jurídico. A reflexão sobre a Igreja terá um lugar permanente no coração, isto é, no centro da revista. Haverá novas secções móveis como «Perfil» e «Entrevista»”.

Concluindo, o Padre Spadaro disse que, “hoje, comunicar significa cada vez menos «transmitir» notícias e cada vez mais dar testemunho e «compartilhar» com outros pontos de vista e ideias. Por isso, o conteúdo da revista na forma essencial do abstract será «aberto» às redes sociais para ser lido, comentado, discutido, nas formas possíveis, não no nosso site, mas em redes como Facebook e Twitter. Além disso, graças à colaboração com Google, foi lançado um projecto pelo qual estarão disponíveis na web todos os fascículos publicados de 1850 a 2008”.

 

 

BRASIL

 

PROGRAMA DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

A Igreja Católica anunciou no passado dia 11 de Abril o programa geral da próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro, encontro que segundo as expectativas vai juntar cerca de 2,5 milhões de pessoas.

 

O dia de abertura do encontro, a 23 de Julho, é marcado pela missa presidida pelo cardeal D. Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro.

Nas manhãs de 24 a 26 estão previstas catequeses proferidas pelos bispos presentes na “Cidade Maravilhosa”, enquanto à tarde decorrem eventos musicais e culturais relativos à Jornada que tem como tema “Ide e fazei discípulos entre todas as nações”.

A tarde do dia 25 é reservada ao acolhimento do Papa e na noite seguinte realiza-se a Via-Sacra.

Na manhã de sábado, dia 27, prepara-se a vigília de oração com Francisco, que será à noite, e durante a tarde o sucessor de Bento XVI reúne-se com seminaristas.

A agenda de domingo, último dia, prevê para a parte da manhã o anúncio da sede da próxima JMJ e a Missa de envio, presidida pelo Papa, que à tarde se encontra com os voluntários.

O programa dos cinco dias da Jornada abrange uma homenagem ao beato João Paulo II (1920-2005), que iniciou a JMJ: uma feira gastronómica, a entrega das chaves da cidade ao Papa, a inauguração de um centro de reabilitação de dependentes químicos e iniciativas de prevenção e recuperação da toxicodependência, entre outras iniciativas.

A Jornada conta com 27 palcos, cada qual representando um estado brasileiro e o Distrito Federal (Brasília), e alguns dos locais mais conhecidos do Rio, como as praias de Botafogo e Copacabana, o Cristo Redentor e o Estádio do Maracanã, acolhem iniciativas ligadas ao encontro.

Todos os peregrinos recebem mochila, t-shirt, boné, Terço, crucifixo, livro de Liturgia, guias e agenda cultural, além de acesso a transportes, alimentação e alojamento.

O director do Departamento Nacional da Pastoral Juvenil em Portugal afirmou, em conferência de imprensa realizada em Fátima, que a “estimativa” da participação portuguesa é de 400 jovens, a que se juntam quase 100 voluntários.

O padre Eduardo Novo adiantou que, até agora, estão anunciadas as presenças de bispos das dioceses de Lisboa, Coimbra, Portalegre-Castelo Branco, Viseu, Bragança-Miranda, Beja e Funchal.

 

 

VATICANO

 

PROGRIDE A UTILIZAÇÃO DE CÉLULAS MADRES ADULTAS

De 11 a 13 de Abril teve lugar no Vaticano uma Conferência Internacional sobre “Medicina regenerativa: mudança fundamental na ciência e na cultura”. Estava em questão a utilização de células estaminais ou células madres embrionárias ou adultas.

 

A investigação com células estaminais ou células madres – que têm capacidade de se diferenciar em diversos tipos de tecidos – provenientes de embriões humanos, começou em finais dos anos 90 do século passado. Pretendia-se obter linhas celulares (células com capacidade de proliferar), potencialmente úteis para o tratamento de doenças degenerativas. Essas investigações, que acarretam a destruição de embriões, mostraram-se pouco eficazes, pois geravam tumores e rejeição imunológica.

A alternativa estava na utilização de células estaminais provenientes de tecidos adultos, que começaram a dar resultados clínicos favoráveis. Mas a autêntica revolução viria do que se denominou “reprogramação” de células adultas de diversa origem, originando células estaminais pluripotentes (geradoras de diversos tipos de tecidos), graças aos trabalhos de Sir John Gurdon, da Universidade de Cambridge (Inglaterra), e de Shinya Yamanaka, da Universidade de Kioto (Japão), ambos Prémio Nobel de Medicina 2012, ainda que as investigações necessitem de continuar a aperfeiçoar-se.

As novas investigações sobre medicina regenerativa excluem a destruição da vida humana embrionária, cuja dignidade é defendida por um amplo sector científico e social. Estas razões justificam novas leis biomédicas em sintonia com os citados avanços.

 

 

POLÓNIA

 

GRANDIOSA ESTÁTUA DE JOÃO PAULO II

Uma estátua do beato João Paulo II, com 14 metros de altura, foi inaugurada no passado dia 13 de Abril em Czestochowa, na Polónia, país natal do Papa que viveu entre 1920 e 2005.

 

A imagem, financiada por um investidor polaco, mostra João Paulo II com um rosto sorridente e de braços abertos.

A estátua, considerada a maior de João Paulo II em todo o mundo, foi construída em fibra de vidro branca, sobre a qual se destaca a cruz peitoral dourada.

A obra, inserida num parque de miniaturas com reproduções de conhecidos espaços sagrados, domina a cidade de Czestochowa, onde se encontra o mais importante centro de peregrinação da Polónia, o mosteiro de Jasna Gora e o seu ícone da Virgem Maria.

A cerimónia de inauguração começou com a leitura, por um actor, de excertos de textos redigidos pelo Papa, seguindo-se um momento musical e a bênção da imagem pelo arcebispo de Czestochowa.

 

 

EL SALVADOR

 

DESBLOQUEADO PROCESSO DE MONS. OSCAR ROMERO

A Igreja Católica de El Salvador expressou no passado dia 23 de Abril a sua “imensa alegria” pelo desbloqueio do processo de beatificação do Arcebispo de San Salvador, Óscar Romero, e confia que o actual Pontífice a tornará efectiva.

 

“É uma imensa alegria, algo que se esperava desde que o Papa Francisco havia assumido o Pontificado, somente chegou bem antes do que se esperava, e justamente no domingo do Bom Pastor”, disse o Bispo Auxiliar de San Salvador, Mons. Gregório Rosa-Chávez.

“O Bom Pastor deu a sua vida por suas ovelhas, assim fez Mons. Romero, um pastor que deu a sua vida por suas ovelhas. A data escolhida para se fazer este anúncio é um «detalhe» que diz muito dele”, acrescentou.

O anúncio do desbloqueio do processo de Mons. Óscar Romero foi feito no domingo 21 de Abril pelo Presidente do Pontifício Conselho para a Família, o arcebispo Mons. Vincenzo Paglia, após um encontro com o Papa Francisco.

“«Desbloquear» significa que o processo de beatificação de Romero, iniciado em 1994, «começa a andar novamente», mesmo que isto «não indique a que velocidade», pois existe muita gente na lista de espera, milhares de candidatos que estão sendo examinados”, reconheceu Mons. Rosa-Chávez.

“Falta verificar em que ritmo isto vai andar”, enfatizou, ao mesmo tempo que assinalou que a Igreja de El Salvador espera que o caso Romero siga «o ritmo do martírio», em que não se necessita comprovar nenhum milagre para ser beatificado, já que o caminho é mais curto”.

O prelado acredita que a beatificação de Romero acontecerá no pontificado de Francisco, “porque o Papa não tem nenhuma dúvida sobre a santidade e sobre o martírio de Mons. Romero. É um grande admirador seu”, destacou.

Óscar Romero (1917-1980), que se caracterizou por defender os mais pobres e desprotegidos, foi assassinado com um tiro no peito enquanto celebrava uma Missa, em San Salvador, em 24 de Março de 1980. Na época teve início uma guerra civil no país que se prolongou até 1992.

Em 1994 foi aberto o processo de beatificação de Mons. Romero, a quem muitos latino-americanos chamam “São Romero da América”. Após a conclusão da parte diocesana salvadorenha em 1996, o processo foi enviado ao Vaticano, onde ficou parado durante vários anos.

 


Imprimir | Voltar atrás | Página Inicial